quinta-feira, 17 de julho de 2014

as intermitências da morte

«No dia seguinte ninguém morreu.»

e assim me enamoro docemente por este homem. 



imagem

Sem comentários:

Enviar um comentário